segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

QUAIS SÃO OS CHAKRAS DOS ANIMAIS?



Reiki em animais

Reiki pode ser definido como “a arte e a ciência da ativação do direcionamento e da aplicação da energia vital universal para promover o completo equilíbrio energético, para prevenção das disfunções e para possibilitar as condições necessárias a um completo bem estar“.

É um método de cura natural pelas mãos e, é uma energia inteligente. A partir de Einstein, foi provado que a energia precede a matéria, assim como as emoções e pensamentos são anteriores à ação. Fica o aprendizado de que a matéria pode ser transformada através de uma energia maior.

Reiki é a união das palavras japonesas “Rei” e “Ki” que, significam energia cósmica (do universo) e pessoal (vital), respectivamente.

Essa terapia energética através da imposição das mãos, irradia as vibrações de harmonia da energia vital do universo (rei) para restabelecer o equilíbrio da energia vital (ki) das partes doentes do corpo de um paciente. Não tem conotação religiosa e não interfere com outros tratamentos.

Os animais, por serem muito sensíveis, abertos e receptivos, não possuem os bloqueios intelectuais que podem dificultar o fluir na energia. Por isso, a terapia Reikiana está cada vez mais presente na Medicina Veterinária.

Atua em animais pelos mesmos princípios que em seres humanos. A terapia deixa o animal relaxado e dócil. O reiki atua em quatro aspectos de qualquer ser: o físico, o emocional, o mental e o espiritual.

Para quem é reikiano e tem animais, é bom usar essa energia maravilhosa em seus bichinhos, gatos, cachorros, pássaros, coelhos, cavalos, peixes. Nos animais agressivos, o tratamento é feito a distância. Animais silvestres e selvagens também se beneficiam dessa terapia.
O Reiki trata problemas de pele; alivia dores; após cirurgias acelera o processo de cicatrização; trata problemas de comportamento (depressão, estresse, agressividade, nervosismo); animais que sofrem de cardiopatia, nefropatia, tumores, doenças terminais, melhorando sua qualidade de vida; inclusive promovendo uma morte mais tranqüila e com menos sofrimento.

A terapia reikiana, como terapia complementar, não apresenta efeitos colaterais ou contra-indicações.


O toque do reiki, realiza uma limpeza profunda no organismo do animal, eliminando toxinas e equilibrando-o energeticamente. Desde as primeiras aplicações são visíveis os resultados.

O terapeuta é um instrumento de transição de energia, através da qual ela flui para o organismo do animal. O terapeuta não fica esgotado após a aplicação e também não absorve a energia negativa do animal – pelo contrário, o terapeuta sente-se revigorado após cada sessão.


Para iniciar o tratamento, deve-se fazer 3 aplicações em dias seguidos. Para casos de comportamento ou problemas de pele, são necessárias 10 aplicações. Depois é importante fazer uma manutenção semanal ou quinzenal.

Ao tratarmos de animais através da terapia Reiki devemos considerar as seguintes possibilidades:


Em animais mansos o tratamento faz-se por imposição direta das mãos. Se o animal se mostrar inquieto apenas se acaricia.


Para animais de grande porte, como vacas e cavalos, embebe-se em água uma toalha e coloca-se sobre o animal. A seguir aplica-se a energia Reiki sobre a toalha.

Em animais silvestres, a princípio, utiliza-se o Reiki à distância.

Em peixes ornamentais podemos enviar-lhes o Reiki pelo lado de fora do aquário.

Em pássaros de cativeiro podemos enviar-lhes Reiki envolvendo-os diretamente ou à gaiola em que vivem entre as nossas mãos.

O Reiki é aceito pela OMS, como Terapia complementar a medicina. Muitas vezes é usado complementando o tratamento veterinário.


Como terapia natural de cura energética trata o animal em si e não a patologia. Agindo assim na causa da doença ou mal estar.

Eleva o padrão vibratório, proporcionado aos animais uma vida mais harmoniosa e feliz.


QUAIS SÃO OS CHAKRAS DOS ANIMAIS ?


São sete chakras maiores localizados centralmente e ao longo do corpo do animal, com localização similar a dos humanos; aproximadamente 21 chakras menores e 6 chakras botão (bud chakras). Os chakras maiores estão alinhados ao sistema endrócrino (as glândulas) e influenciam as áreas do corpo nas quais estão locados. Existem relatos de um oitavo chakra, inexistente nos humanos.

  Vermelho é o primeiro Chakra. Localiza-se na base da coluna, próximo à inserção da cauda. Também está associado ao ânus. Este chakra supre as glândulas adrenais e esta associado à SOBREVIVÊNCIA. O instinto de comunicação como ronronar, latir, uivar, grunhir, relinchar, piar, etc., provem deste chakra. É o responsável pelo bom ânimo, a estabilidade, instinto de preservação, força física. Liga o indivíduo a mãe terra.
Dos chakras maiores, os únicos que permanecem abertos do nascimento à morte do animal são o da RAIZ, o SOLAR e o da COROA que estão abertos desde o nascimento e por toda a vida do animal. Os demais chakras maiores podem ou não vir a abrir-se e isto vai depender da estimulação de cada um deles.  Os chakras menores e os bud chakras não têm cores tão intensas e definidas como os maiores, mas apresentam-se como anéis de luz, com várias cores mescladas de centelhas brancas. Os chakras dos ouvidos, por exemplo, são descritos como de coloração amarelo pálido alternando com azul brilhante quando despertos ou estimulados.

Os “bud chakras” distribuem-se entre os coxins plantares (4) e nas aberturas dos ouvidos (2). Os dos coxins conectam o animal com a energia da terra, são extremamente sensíveis às vibrações energéticas e quando percebem pontos de “energia boa”, deita-se sobre estes locais para absorver boas energias através dos chakras solar e da raiz.

A estimulação dos chakras pode ser feita com a imposição das mãos, com a utilização da cromoterapia (incidência de luz colorida ou pedras de cores correspondentes), com a pressão dos dedos, utilizando-se florais específicos para cada chakra ou simplesmente com a mentalização focada em cada um deles. Todas estas técnicas requerem um conhecimento mínimo, que pode ser adquirido pelos cuidadores com alguma leitura e prática.

3 comentários: