domingo, 19 de dezembro de 2010

Física quântica e o Reiki

Física quântica 

Física quântica
No começo dos tempos da civilização, o homem já tinha uma aguçada curiosidade sobre como funcionam as coisas. Os gregos surgiram inicialmente com a idéia de que se partíssemos um elemento qualquer um número muito grande de vezes, chegaríamos a uma partícula de tamanho mínimo e indivisível, a qual eles denominaram átomo, que em grego significa indivisível. O átomo foi considerado como partícula constituinte de todos os elementos existentes na Terra. Apenas no século XVI, é que realmente tiveram um desenvolvimento maior, as teorias que explicavam o movimento interplanetário com o Sol posicionado no centro deste sistema.
A física recebeu seu grande impulso então com o aparecimento de Galileu e Newton. Newton, que foi, senão o maior, um dos maiores físicos de todos os tempos, desenvolveu a mecânica clássica, que explicava o movimento dos corpos através da aplicação de forças neles. Ele desenvolveu também a chamada Teoria da gravitação, que explicava o motivo da atração entre massas. Newton também desenvolveu grandes idéias na área da óptica e principalmente desenvolveu a teoria do cálculo, que até hoje se mantém como a principal ferramenta matemática para o estudo da física.
No século seguinte, surgiu Maxwell, que com suas quatro equações, conseguiu explicar todos os fenômenos do eletromagnetismo.
Chegamos finalmente ao nosso século, quando apareceu Einstein, que baseado na teoria eletromagnética de Maxwell, desenvolveu a Teoria da Relatividade. A Teoria da Relatividade é a teoria mais importante da física e mostrou ser mais geral do que a mecânica clássica, podendo ser aplicada para qualquer caso. A Teoria da Relatividade funciona para corpos que se movem em velocidades próximas à velocidade da luz, que é de 300000km/s. A Mecânica Clássica mostrou ser um caso particular da Teoria da Relatividade para baixas velocidades.
No começo deste século, análises mais profundas do que ocorre na matéria, demonstraram que a mecânica clássica tem uma discrepância muito maior para dimensões da ordem do átomo do que para grandes velocidades. Nomes de grandes cientistas como Bohr, Schrödinger, Planck, Heisenberg, De Broglie, Compton e Pauli, tornaram-se sinônimos da nova Teoria desenvolvida: A mecânica quântica, que conseguia explicar os fenômenos que ocorriam no átomo. O nome está relacionado às dimensões envolvidas na teoria, as quais são muitíssimo pequenas. Temos então que para dimensões extremamente pequenas, os fenômenos podem ser explicados pela física quântica. Para velocidades baixas e elementos de nossa ordem de tamanho, funciona a física clássica, e para velocidades muito altas, temos que utilizar a Teoria da Relatividade.
Mecânica Quântica
. Ela é um ramo da Física que aborda as partículas que estruturam a matéria, como átomos, moléculas, prótons, nêutrons, elétrons, quarks, etc. Na Mecânica Quântica, cada sistema físico é associado a uma entidade matemática abstrata, o estado quântico. As grandezas físicas associadas ao sistema, como por exemplo, a energia, a posição, a velocidade, a rotação entre outras, são associadas à outra entidade abstrata, o operador auto-adjunto.
Enquanto na Física convencional a natureza é regulada por leis, ou seja, dois sistemas idênticos devem apresentar as mesmas transformações, na Física Quântica isso não acontece. Dois sistemas idênticos podem transformar-se de formas diferentes. A única coisa que eles têm em comum é a probabilidade para as mudanças ocorrerem.
Um exemplo muito comum de aplicação da Mecânica Quântica é a do spin de uma partícula, que é um tipo de rotação. Se a partícula “gira” em determinada direção e medimos sua rotação nesta mesma direção, chega-se sempre ao mesmo resultado. Mas se medimos a rotação em outra direção, fica impossível saber qual o resultado. Ela poderá assumir vários valores de spin, com diferentes probabilidades. Simplesmente o novo valor é imprevisível. Usualmente estuda-se o movimento de partículas muito pequenas, ou seja, em nível subatômico. Entretanto, há efeitos que ocorrem em nível macroscópico.
A Não-Localidade.
Uma descorberta surpreendente na fisica quântica é a propriedade que chamamos de não-localidade .Quando duas partículas interagem, essa propriedade é descrita pelo fenômeno no qual elas continuam a influenciar e a transferir informação mútua e instantaneamente não importando quão distantes estejam uma da outra! Não importa se as partículas ou os eventos físicos estão separados por bilhões de milhas, ou bilhões de anos-luz ou cada um(a) em uma extremidade do Universo. Continua a existir uma comunicação instantânea ou transferência de influência, ou informação entre os sistemas! Tudo acontece em algum nível subquântico, invisível, de realidade. Como Nadeau e Kafatos observam:
O experimento de Gisin “obrigou os físicos a concluir que a não localidade ou não-separação é uma dinâmica global da vida no Cosmo”1
Conceitos chaves da teoria quântica:
NÃO-LOCALIDADE
TOTALIDADE ININTERRUPTA
ORGANIZAÇÃO COORDENADA
INDEPENDÊNCIA DE ESPAÇO TEMPO
NÃO-SEPARAÇÃO ENTRE OBSERVADOR E EXPERIMENTO
EXISTÊNCIA DE CAMPO QUÂNTICO SUBJACENTE A TODAS AS FORÇAS NA MATÉRIA
UMA CONSCIÊNCIA QUE PERMEIA TODAS AS COISAS VIVAS E NÃO VIVAS
Utilizaremos alguns conceitos e pesquisas da física quântica para confirmar e consolidar a proposta dessa empresa para que isso se torne uma ponte para que no futuro o que se mostra místico, esotérico e milagroso seja de fácil aceitação e comum de entendimento.
1. Nadeau, Robert & Kafatos, Menas The No-Local Uniniverse – The News Physics and Matters of the Mind, Oxford University Press, NY, NY,1999, p. 79.

Nenhum comentário:

Postar um comentário